sábado, 28 de junho de 2008

Gilberto, o candidato que não sabia mentir

Gilberto lançou-se na política por pressão dos amigos. Desde a adolescência demonstrava muito carisma; sempre foi muito bem quisto em todos os grupos de pessoas dos quais participou. Sempre foi muito querido na família, na escola, no futebol, no bairro, no curso de inglês, na rua... ; posteriormente na faculdade, no trabalho, e nos bares que freqüentava.

Diziam os mais íntimos que tinha vocação para a política. Conversava com todo mundo, sabia ser simpático mesmo quando era destratado, sabia respeitar as pessoas e fazer-se respeitado por sua amabilidade. Os amigos mais próximos batiam sempre na mesma tecla:

- Você tem que ser candidato a alguma coisa Gilberto. Muita gente na cidade gosta de você, acho que dá pra conseguir votos suficientes para pegar uma boquinha de vereador.

Seu maior incentivador era Rodrigo, puxa-saco de políticos desde os tempos de escola. Ele distribuía santinhos, servia de cabo eleitoral entre familiares e pais de amigos, e aos 18 anos estava filiado ao partido do manda-chuva da região. Graças às suas conexões e fidelidade ao influente Arnaldo Porfilho, herdeiro de grandes fazendas e descendente de uma tradicional linhagem de políticos, foi empregado na Fundação dos Porfilho. Não ocupava um cargo específico, sua função era mesmo de cabo eleitoral 24h por dia, fosse ano de eleição ou não.

Rodrigo organizou uma reunião entre seu amigo de infância Gilberto e o todo poderoso senhor Porfilho. Foi muito eficiente, como de costume, em convencer o velho a incorporar Gilberto na lista de candidatos a vereador daquele ano. Seria uma figura nova na política, não tinha nada em seu passado que pudesse prejudicar a imagem do partido, e o experiente Senador (Arnaldo Porfilho estava em seu segundo mandato como senador, era um sujeito realmente poderoso) logo vislumbrou a possibilidade de eleger o “amigo de todo mundo”. Foi este o slogan lançado para a campanha de Gilberto.

Mas ele tinha uma grave deficiência para a política, não sabia mentir. Porfilho não sabia disto; Rodrigo sabia, mas não comentou nada. Estava seguro de que as incontáveis amizades de Gilberto, que iam desde as pessoas mais simples às famílias mais abastadas da cidade, bastariam para sua eleição, não precisaria faltar com a verdade. Mas a sinceridade de Gilberto foi de encontro às necessidades da boa e velha política. Quando começou a campanha, o desastre foi inevitável.

O filho de Arnaldo Porfilho era candidato à reeleição como prefeito, seu nome: Arthur Porfilho. Partiram em comitiva para o bairro mais populoso do município, o candidato a prefeito, um vereador da velha guarda e a nova “celebridade” da chapa, Gilberto. Os tradicionais Porfilhos ficaram surpresos com a popularidade do rapaz. Ele era conhecido e querido em todas as esquinas da cidade, do bairro mais pobre ao mais rico. Todos gostavam de Gilberto. Nos cálculos dos profissionais da política, seria uma barbada.

Palanque montado, falou o candidato à reeleição:

- Meu querido povo de Pindorama. Vocês já me conhecem. Nosso trabalho sério vem gerando muito resultados para o desenvolvimento de nossa amada cidade... Queremos continuar nossos esforços para levar a nossa pequena Pindorama aos patamares da grande civilização... Peço-lhes mais um voto de confiança para seguir nosso eficiente trabalho à frente da prefeitura... Com minha experiência e reconhecida honestidade, nossa cidade avançou dois séculos em apenas quatro anos... Foram muitas obras para engrandecer nossa gente... Abrimos novas ruas, construímos um hospital, fortalecemos o jornal da cidade, fizemos muito pela consolidação da democracia pindoramense... Todos nós desfrutaremos dos resultados do progresso! Para seguirmos adiante, o voto certo é Arthur Porfilho!

Após uma hora de falatório, o povo aplaudiu. Não entenderam metade das palavras que o atual prefeito e candidato à reeleição disse. Ninguém nunca ouviu falar do tal hospital, ninguém viu as ruas novas, ninguém leu o jornal. Mas todos aplaudiram mesmo assim, por puro hábito de aplaudir políticos que fazem discursos intermináveis antes do esperado show da dupla sertaneja.

Mas antes do show, haviam os discursos dos candidatos a vereador. O primeiro foi o experiente Aldair Nunes, velho de guerra, eleito por quatro vezes consecutivas. Nunca foi a uma reunião da Câmara dos Vereadores, mas sempre ganha a eleição por ser dono de padarias espalhadas pela cidade e distribuir pão gratuitamente em época de campanha. O discurso foi no mesmo tom do prefeito.

- Queridos moradores do bairro Novo Cristo. Vocês já me conhecem... Sabem tudo o que já fizemos por vocês... Quero continuar meus bons serviços prestados à população de Pindorama... Jamais me esqueci das necessidades aqui do Novo Cristo... Se eleito, lutarei pela construção de uma escola!! ... Lutaremos pela melhoria das condições sanitárias... Junto com o prefeito Arthur Porfilho, resolveremos o problema da rede de esgoto... Votem Aldair Nunes, o nome que vocês já conhecem e confiam!!! Para seguirmos adiante, o voto certo é Arthur Porfilho!

O povo ficou extasiado com as promessas. Aldair nunca cumpriu nenhuma promessa de campanha. Mas o povo não reclama porque, pelo menos em época de eleição, ele faz a caridade dos pães. É recebido como um mecenas nos bairros mais carentes.

E chegou a vez de Gilberto. Foi aplaudido quando pegou o microfone. Ouviu da multidão inúmeras manifestações de apoio à sua candidatura.

- Amigos da cidade. Não tenho muita experiência com campanhas políticas. Nem sei ao certo o que é que um vereador faz. Não posso prometer escolas, não posso prometer hospital. Nem sei onde fica o hospital que o prefeito disse que construiu. A única coisa que posso prometer é respeitar o dinheiro de vocês e não me envolver em abusos de poder. Se eu for eleito, tentarei demonstrar com transparência todos os gastos realizados. Nossa campanha está gastando muito dinheiro, e os recursos vêm todos de obras que deveriam ser realizadas para o bem da cidade. Eu sempre disse a verdade é não é agora, que estou próximo ao poder, que faltarei com ela. Sei que esse show, tão aguardado, foi patrocinado pela verba do hospital, que nunca saiu do papel. Sei também que o dinheiro da escola prometida na última eleição serviu para ampliar as padarias. Sei também que o dinheiro que era para ser gasto com a melhoria das ruas, foi repassado aos candidatos a vereador que não tinham como arcar com as despesas de campanha. Eu tenho até vergonha de dizer que meus santinhos foram pagos com o dinheiro do asfalto que nunca chegou até aqui. Então, caros amigos de Novo Cristo, não posso prometer nada. O esquema já é muito poderoso. Eles dão pão em época de eleição e ficam com dinheiro das obras públicas para financiar as campanhas da próxima eleição. Quando me explicaram isto, achei um absurdo. Mas o que posso eu fazer? Conto com a ajuda de vocês para moralizarmos a política de nossa cidade. Não posso dar nada em troca, só posso pedir que acreditem em mim... (o microfone foi cortado).

O povo ficou em silêncio. O prefeito e Aldair Nunes se entreolharam. Eles mandaram desligar o equipamento de som. Ouviu-se da multidão algumas manifestações isoladas de apoio a Gilberto. Antes ovacionado, quando contou o que sabia, deixou as pessoas sem reação. Os eleitores não estão preparados para ouvir os fatos: querem pão de graça, querem ouvir mentiras sobre escolas e hospitais, mas não querem se envolver com os problemas de verdade.

Gilberto foi repreendido pela cúpula e, no dia seguinte ao seu desastroso discurso, foi tido por louco. Levaram-no para uma cidade vizinha, onde ficou internado e sedado. Os Porfilhos fizeram com que suas palavras fossem desacreditadas. Em um discurso triunfal, no centro da cidade, acompanhado de um show ainda mais popular que o anterior, o próprio Arnaldo Porfilho subiu ao palanque:

- Queridos cidadãos de Pindorama (com os dedos em riste e falando com muito entusiasmo). Tivemos um inesperado problema em nossa campanha. Nosso amado Gilberto, o amigo de todo mundo, sofreu uma crise gravíssima de esquizofrenia. Infelizmente não poderá participar de nossa gloriosa administração... Peço que todos rezem pela melhora do nosso companheiro de lutas... Nossa primeira ação, quando empossado o novo prefeito e os vereadores, será construir uma clínica municipal de atendimento aos que têm dificuldades de adaptação à sociedade assim como ela é. Faremos isto para o bem do amigo Gilberto e todos aqueles que, como ele, não conseguem enxergar a verdadeira verdade pura e cristalina... Avante Pindorama... Para seguirmos adiante, o voto certo é Arthur Porfilho e nossos vereadores!!!!

O povo não entendeu nada, mas aplaudiu euforicamente o discurso do senador. Distribuíram cerveja de graça e foi iniciado o show tão esperado , para alegria de todos!!!


* Qualquer semelhança com a realidade é... extremamente improvável.

3 comentários:

Bruno Discacciati disse...

"Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação..."

muito bom cara!
andrades...

Thobias disse...

Hehehe... agora é o Gilberto para prefeito do manicômio!

Frederico disse...

esse blog vai comemorar um ano sem post!

;)